Vamos falar de…Maternidade

Want create site? Find Free WordPress Themes and plugins.

No mês dedicado às mães na coluna” Vamos falar de…” o tema não poderia ser outro. O assunto é maternidade. E o professor Antônio Faria, Coordenador da Pastoral Escolar do Instituto Padre Machado, ofereceu para nossos leitores uma bela reflexão sobre o assunto. Leia logo abaixo:

NO MISTÉRIO DA MATERNIDADE, UMA GRANDE REALIDADE SE FAZ.       

                    “A mão que embala o berço rege a humanidade” (Lellup) 

“O útero abriga o feto, assim como o grupo abriga o indivíduo.

Neste sentido, parto e nascimento de um bebê fazem parte de uma troca ecológica: a criancinha sai do útero biológico para entrar no útero sociológico. Assim podemos pensar que é da saúde desses dois úteros que depende a qualidade total de vida do homem e da sociedade. Nessa troca, saída e entrada são marcos da origem e finalidade da existência humana, contribuindo para determinar o futuro estilo de vida das pessoas. Por isso, é relevante saber como se deu o parto, se o pai estava presente, quem foi o obstetra, o  que significou, para “pais e  bebê” o corte do cordão umbilical. O sugar do leite materno é antes de tudo uma busca de identidade por onde deva fluir, através da mãe, o néctar do amor. É neste estágio de aconchego que se determina o caminho psicossocial por toda a vida. Por isso que se diz ‘a fome de amor é precedida da fome de pão’.

O contexto familiar é único. Ele é indissolúvel no processo de formação da pessoa. A criança, nas suas primeiras experiências com os órgãos dos sentidos,  se modela a partir do que ela vê e sente na relação íntima com a mãe e posteriormente no social com o pai, internalizando a lei. É um contato pessoal e não impessoal. Estas experiências irão definir a personalidade do filho na sua dimensão de afeto e ajustamento social para a vida toda.”

Com a colaboração do Professor Antônio Faria, Coordenador da Pastoral Escolar.

Did you find apk for android? You can find new Free Android Games and apps.
0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *